CO-MAPA

Tecnologia para o Brasil não parar

 
  • App para o controle do COVID-19
 
  • Uso de tecnologias de sucesso já comprovado em outros países
 
  • Ajuda na prevenção do contágio sem paralisar a economia

Juntos mapearemos o COVID-19 para que você possa se proteger

As atuais soluções governamentais para combater a pandemia de COVID-19 dividem-se entre “não fazer nada” (provocando inúmeras perdas de vidas) ou manter a população inteira em quarentena forçada (e causar prejuízos econômicos irreparáveis). Nenhuma dela parece ser a adequada.

Pensando em conciliar esses aspectos da melhor maneira possível, a Konatus (por meio do CEO Guilherme Rocha) uniu-se a profissionais independentes de diversas áreas para iniciar o desenvolvimento do Co-Mapa, um app que monitora casos e ajuda na prevenção de contaminação da população.

Trata-se de uma solução já testada com sucesso em nações como Singapura e Coreia Sul – ambos contiveram a pandemia em seus territórios – que usa informação e inteligência para diminuir o contágio sem paralisar a economia do país, evitando assim duas crises ao mesmo tempo.

O Líder da Iniciativa

Guilherme Rocha é engenheiro formado pelo ITA com doutorado na área de prognóstico de sistemas e gestão de riscos. É empreendedor e professor do ITA, onde desenvolve pesquisas nas áreas de logística e segurança.


FUNCIONALIDADES

O Co-Mapa classificará os usuários em perfis de risco de acordo com informações personalizadas como histórico de sintomas, histórico de proximidade com outros indivíduos, histórico de consumo de fármacos relacionados à doença e resultados de testes do COVID-19.

Os perfis em questão obedecerão ao critério de cor abaixo:

  • Perfil Verde: indivíduos tidos como sadios e fora dos grupos de risco. Poderão exercer normalmente atividades produtivas e acessar serviços não essenciais.
  • Perfil Amarelo: indivíduos com suspeita leve ou moderada de contaminação. Poderão acessar apenas os serviços essenciais (farmácia, mercado, padaria etc.), devendo praticar o distanciamento social.
  • Perfil Vermelho: indivíduos infectados ou com forte suspeita de contaminação. Serão monitorados e deverão ser isolados do convívio social.
  • Perfil Azul: indivíduos imunizados.

O perfil cada usuário terá status dinâmico, sendo resultado da constante coleta, atualização e integração pelo sistema de dados como estado de saúde, hábitos de consumo e locais frequentados.


TECNOLOGIAS

  • Sigilo Total de Informações: O sistema preservará o sigilo das informações de cada usuário em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Outros indivíduos poderão solicitar verificação do perfil de risco do usuário. Havendo consentimento do usuário em exibir tal informação, aparecerá para o requisitante o nome, idade e classificação de risco do usuário apenas.
  • Acesso à Base de Dados do Governo: Para se determinar a classificação de risco, o sistema será integrado de forma sigilosa à base de dados do Ministério da Saúde de modo a obter informações sobre eventuais resultados de teste do COVID-19, histórico de vacinação do usuário e histórico de consultas médicas.
  • Detecção de Proximidade via Bluetooth: Tal como implantado em Singapura, o sistema utilizará tecnologia Bluetooth para rastrear pessoas que tiveram contato próximo e recente com indivíduos contaminados mesmo antes de eles apresentarem sintomas e terem resultado positivo no teste do COVID-19. Essas pessoas serão alertadas, monitoradas, terão prioridade para a realização de testes e entrarão na classificação de risco “Amarelo”, podendo evoluir para “Vermelho” caso comecem a manifestar sintomas ou tenham resultado positivo no teste de COVID-19. Em nenhum momento será revelada a identidade do infectado para o sujeito que recebeu o alerta.
  • Mapeamento Geográfico de Riscos: Por meio de tecnologia de georreferenciamento – tal como implantado na Coreia do Sul –, o aplicativo exibirá o perfil de risco de cada localização com base na densidade de pessoas infectadas ou suspeitas, permitindo uma circulação mais prudente de modo a evitar novas contaminações.
  • Canais de Comunicação: Por fim, serão utilizados chats e interface de vídeo para facilitar a comunicação remota entre usuários e profissionais do sistema de saúde, diminuindo a circulação de pacientes suspeitos ou infectados e protegendo a integridade física dos profissionais de saúde.